Início São João del-Rei Lendas Agenda Cultural Parceiros Vídeos Contato
 
Página inicial Lendas São Joanenses!
 
  Homenagem
do Mês
 
  Quem Somos
 
  Conheça São
João del-Rei
 
  Conheça
Nossas Lendas
 
  Agenda
Cultural
 
  Parceiros
 
  Vídeos
 
Rua Santo Antônio
 

Tombamento do conjunto arquitetônico e urbanístico pelo IPHAN em 04 de março de 1938.

Foi um dos núcleos iniciais de desenvolvimento da cidade, constituindo-se em um caminho-tronco que unia as freguesias do Rosário, Pilar e Carmo a um povoado separado do núcleo principal. Foi também uma das primeiras entradas de São João del-Rei, por onde passaram as bandeiras dos sertanistas, estrada de tropas e pedestres, nas suas idas e vindas em busca do sertão de Cataguaze. Por este motivo é que esta rua possui seu formato como o de um caminho, com traçado espontâneo, característico do período colonial: estreita e sinuosa sendo que nas proximidades da Igreja do Rosário a caixa da rua logo se amplia. A pavimentação ainda é em “pé-de-moleque”, tendo sido asfaltada a partir do cruzamento com a Rua Afonsina Alvarenga, fora dos limites de tombamento; ainda assim, gerou uma ação judicial da União contra o prefeito, por danos ao patrimônio histórico nacional. Com relação ao uso, predomina o residencial, com a presença de alguns ateliês junto das residências. A presença da Capela de Santo Antônio, construída no século XIX, e das sedes da Orquestra Ribeiro Bastos e da Lira São-joanense e da Banda Teodoro de Faria instauram o uso institucional, perfeitamente integrado no caráter predominante da rua, conferindo-lhe ainda uma atmosfera especial de religiosidade e musicalidade. O sobrado do Padre Gustavo, adjacente à Capela, foi um centro de medicina natural na cidade, com propaganda nos anuários; o pomar e a horta permanecem inalterados, embora não cumpram mais a função social de outrora. A particularidade de seu conjunto lindeiro corresponde a uma significativa preservação das características iniciais das construções, salvo algumas exceções descaracterizantes. O casario remanescente, em geral, é térreo, com poucos sobrados, construídos em pau-a-pique e estruturados em madeira, telhados em duas águas e beirais em cachorro ou beira-seveira. A homogeneidade permanece até o cruzamento com a Rua Afonsina Alvarenga, a partir de onde se mantém a volumetria, mas se alteram as características originais das edificações.

Em seu prolongamento existem muitas instituições e edificações importantes, como por exemplo:

- Edificação-sede da Banda Teodoro de Faria.

- Capela de Santo Antonio: a Capela de Santo Antônio foi edificada, presumivelmente, em princípios do século XIX e sua fachada organiza-se à maneira das pequenas capelas mineiras. Seu interior é de grande simplicidade.

N° do Processo de Tombamento Individual pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural: 106/2001

Decreto Municipal: 2763

- Casa nº. 112: casa que nasceu o mais renomado musicista são-joanense de todos os tempos, Padre José Maria Xavier, cujo busto encontra-se no Largo do Rosário.

N° do Processo de Tombamento Individual pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural: 027/2005

Decreto Municipal: 3634

- As orquestras bicentenárias, Ribeiro Bastos (1790) e Lira São-joanense (1776);

- As encantadoras e curiosas casas tortas;

- Casa nº. 33: onde se originou a lenda O RETRATO, uma das interpretações do passeio turístico noturno, LENDAS SÃO-JOANENSES.